Últimas Notícias

16/05/2018
Robô trabalhador de vinha impressiona em Bordeaux
A robótica terá um papel maior em algumas das vinhas mais prestigiadas do mundo, depois de testes bem sucedidos este ano
Château Clerc Milon, em Bordeaux, na França, testou um protótipo de robô de vinha chamado “Ted” para ajudar no cultivo do solo e na capinagem em suas videiras.

A notícia vem em meio a relatórios crescentes sobre o aumento dos níveis de automação em muitos setores de negócios.

O teste de Clerc Milon com “Ted” (foto) ocorreu em 2017 através de uma parceria com o grupo francês Naïo Technologies.

"Vemos a robótica como uma solução eficaz para o futuro”, disse Philippe Dhalluin, Barão de Philippe de Rothschild.

"Além de ajudar a tornar o trabalho na nossa vinha menos árduo e respeitando o solo, o robô reduzirá nossa dependência das energias fósseis e os danos causados ​​pela maquinaria agrícola tradicional".

O Barão acrescenta que tem buscado métodos orgânicos e biodinâmicos para suas vinhas e que cortou os tratamentos químicos em 30% desde 2008.

Dhalluin, no entanto, não espera que robôs substituam humanos na vinha, especialmente quando se trata de escolher e selecionar uvas.

"Ao trabalhar nas vinhas, estamos preocupados primeiro com o bem-estar dos nossos trabalhadores”, ressalta ele. "O ‘Ted’ será capaz de aliviá-los de algumas das tarefas repetitivas, mas um robô nunca substituirá a mão humana [que é] essencial para uma colheita perfeita e de alta qualidade".

Além disso, o produtor de Portugal Symington Family Estates também testou recentemente um robô de vinha chamado “Vine Scout”, que pode monitorar a saúde da videira e alertar os vinicultores para qualquer problema, como o estresse hídrico. Ele usa rastreamento GPS para funcionar de forma autônoma nas videiras.

O projeto de três anos com o "Vine Scout" começou em 2016 e é parcialmente financiado pela União Europeia, bem como por instituições privadas.

Ambos os ensaios em Portugal e Bordeaux são os últimos exemplos de automação na gestão da vinha.

Os drones já estão sendo usados ​​em algumas áreas de Bordeaux para monitorar a saúde da videira, como no Château Pape Clement, de propriedade de Bernard Magrez.

E a nova tecnologia, como a maquinaria da linha óptica, está ajudando a reduzir a proporção de safras pobres. No entanto, os vinicultores também argumentam que isso se deve a uma mudança cultural em direção a menores rendimentos, menor dependência de produtos químicos e maior precisão.
Fonte: Decanter
 
> Leia as últimas notícias