Últimas Notícias

07/11/2018
Questões verdes direcionam inovações no fechamento de garrafas
O impacto ambiental da produção e do descarte de rolhas está ganhando destaque
Apenas quando você pensou que o debate sobre o fechamento de garrafas de vinho estava chegando ao fim, uma nova fonte de discussão surge. E não, não é uma nova marca ou uma nova afirmação sobre as taxas de transmissão de oxigênio.

Em vez disso, o tema atual é o meio ambiente - isto é, o efeito no planeta de produzir e descartar diferentes tipos de rolhas.

Então, por que as credenciais ecológicas dos tipos de fechamento estão sob os holofotes? Um dos motivos é a maior conscientização entre consumidores de questões verdes, particularmente a emissão de carbono das embalagens e os problemas causados ​​por resíduos - exacerbados em 2017 por imagens de poluição plástica no mar na série de TV Blue Planet II de Sir David Attenborough.

Essencialmente, com o argumento de mudança do desempenho técnico de diferentes rolhas, as implicações ambientais estão se tornando um fator decisivo na seleção do tipo de fechamento.

Mas quão verde é a sua escolha de rolha?

Como Sally Easton nos lembra, a primeira avaliação do ciclo de vida dos fechamentos é de quase 10 anos de idade, mas os resultados do estudo ainda são relevantes. E isso é porque a chave para a diferença nas credenciais ecológicas dos vários tipos de fechamentos é o material usado, e estes ainda são os mesmos, na maior parte.

Este relatório foi encomendado por Amorim e publicado em novembro de 2008 pela PricewaterhouseCoopers/Ecobilan, após uma revisão por pares. Mostrou que a unidade de cortiça natural produz o mínimo de CO2, e a tampa de rosca, o máximo - a mineração e a refinação do alumínio usado para fazer as cápsulas de rosca são intensas em energia. As rolhas de plástico ficam entre os dois extremos.

A produção de cortiça, seja ela usada para rolhas ou não, tem um benefício ambiental, devido às florestas de cortiça serem geridas para a sua produção.

Livre de pesticidas ou fertilizantes e plantada a baixa densidade, a floresta de cortiça é um dos mais diversos habitats naturais do mundo e atua como sumidouro de carbono. Com efeito, as florestas de cortiça portuguesas absorvem 4,8 milhões de toneladas de CO2, o que representa uma redução de 113,2g de CO2 por cortiça, de acordo com o Cork Quality Council.

Respondendo às credenciais ecológicas mais fortes da cortiça, em 2013, a Nomacorc criou “o primeiro fecho de vinho sem pegada de carbono do mundo”. Chamada de Select Bio, ela é parcialmente feita com polímeros derivados de cana-de-açúcar e, segundo o fabricante, os bioplásticos contribuem com um valor negativo de emissão de carbono que compensa completamente as emissões positivas provenientes de matérias-primas convencionais no produto.

Como Easton ressalta, não apenas a Nomacorc está sendo renomeada como Plantcorc, mas também está liderando a criação de uma nova categoria de fechamento: "alternativas renováveis". No entanto, os próprios bioplásticos não estão livres de controvérsias, até porque o cultivo da cana-de-açúcar usada em sua produção tem suas próprias implicações ecológicas.

A produção de CO2 não é a única questão ambiental que enfrenta o tema do fechamento - há também a questão do desperdício de água a considerar. Quando o consumo de água durante a produção do fechamento é considerado, as rolhas de plástico são as que mais usam e as rolhas de rosca são as que menos, enquanto as rolhas naturais de peça única ficam aproximadamente entre as duas. Assim, enquanto os produtos de alumínio exigem muita energia em sua produção, o uso de água é mínimo para a criação de uma tampa de rosca.

Num estudo da Nomacorc sobre as emissões de carbono publicado em Abril de 2008, antes do relatório Amorim, foi demonstrado que as rolhas aglomeradas têm uma maior emissão de carbono do que o fecho sintético. Isto se deve ao processamento dos grânulos de cortiça - Amorim lava-os com água a 70ºC e depois os coloca em um processo de destilação a vapor chamado ROSA. Isto serve para remover quaisquer potenciais compostos de deterioração de vinho. A Diam trata os grânulos de cortiça pelo mesmo motivo, mas utiliza o procedimento Diamant, no qual o "CO2 supercrítico" extrai os compostos indesejáveis.

Enquanto a cortiça natural de peça única é considerada relativamente limpa, é importante notar que as rolhas micro-aglomeradas têm propriedades e requisitos de produção diferentes.

Mas há outro problema para as rolhas micro-aglomeradas: a cola usada para ligar os grânulos de cortiça. Tipicamente empregando um tipo de plástico, não é facilmente reciclável nem biodegradável. Compreendendo até 25% da rolha, os grandes produtores de aglomerados Diam e Vinventions estão trabalhando em tampas que usam agentes ligantes de origem natural, da cera de abelha ao açúcar de milho.

E isso nos leva à última questão ambiental que enfrenta os fechamentos: a reciclagem. A maioria dos tipos de rolhas vai para aterros sanitários. A vantagem de usar uma cortiça natural é que o produto irá lentamente biodegradar, mas mesmo assim, a indústria da cortiça está trabalhando para encorajar os retalhistas a disporem de pontos de recolhimento para que as rolhas sejam recicladas - mesmo que possam ser usadas para fazer compostagem.

Enquanto isso, ciente do maior impacto ambiental das tampas de rosca, a Alupro (Organização de Reciclagem de Embalagens de Alumínio) lançou a campanha "Leave Your Cap On" para o Reino Unido. Financiado em parte pela Guala Closures, incentiva os residentes a reciclar as tampas de rosca de alumínio, juntamente com as garrafas de vidro de onde vieram.

Rolhas plásticas podem ser recicladas, mas a quantidade de plástico coletado e reciclado é pequena (menos de 20% no Reino Unido). E, no caso das rolhas de plástico, se estas entrarem no fluxo de reciclagem de plásticos PET (e os dois são difíceis de distinguir), então, o produto de plástico reciclado resultante será afetado negativamente. Além disso, uma rolha 100% de bioplástico não vai necessariamente se deteriorar em aterros - eles geralmente precisam da presença de oxigênio e ultravioleta para degradar.

Enquanto um consumidor não pode escolher um vinho com base nas credenciais ecológicas de sua rolha, o impacto ambiental da embalagem está se tornando um fator cada vez mais importante na seleção do fechamento entre os vinicultores. Como resultado, está impulsionando novas inovações no negócio de rolhas. Mas, apesar de todos os desenvolvimentos científicos, quando julgados a partir de uma perspectiva puramente verde, é a tampa mais antiga que sai por cima - a peça inteira de cortiça natural.
Fonte: The Drinks Business
 
> Leia as últimas notícias