Blog Meu Vinho

05/06/2019
Cientistas franceses criam superuvas que não requerem pesticidas
As primeiras tentativas de criar uvas resistentes à podridão começaram na década de 1970
Cientistas franceses descobriram quatro variedades revolucionárias de superuvas que, segundo eles, são impermeáveis à podridão e, portanto, quase não requerem pesticidas.

Mas os puristas têm alertado que as criações feitas em laboratório, que misturam genes de uva de todo o mundo, podem levar a um vinho Frankenstein de baixo nível para as gerações futuras.

À primeira vista, as uvas vermelhas e brancas que crescem no Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica em Colmar, no leste da França, parecem-se com qualquer outra que você possa encontrar nesta parte do mundo.

No entanto, estas são uma raça diferente e revolucionária de uva cultivada no laboratório num programa chamado "Resdur".

O objetivo é ser “resistente duradouramente” ao ataque fúngico de dois inimigos dos produtores de vinho: o míldio e o oídio.

Nos últimos meses, os cientistas receberam autorização do estado para cultivar quatro variedades de uvas resistentes chamadas Araban, Floreal, Voltis e Vidoc, que gerarão um vinho engarrafado até 2020.

As primeiras tentativas de criar uvas resistentes à podridão começaram na década de 1970, quando um gene resistente foi isolado, mas nos últimos 15 anos, os cientistas identificaram mais três, cruzando uvas europeias com videiras americanas e asiáticas.

Didier Merdinoglu, o "pai" do programa, insistiu que as uvas permitiam que os vinicultores reduzissem o uso de pesticidas entre 80% e 90%.

"Estamos falando de cair de uma média de 15 tratamentos (para doenças fúngicas) por ano para um ou dois, acima de tudo para matar outras doenças e parasitas", disse ele.

Dado que 20% dos pesticidas usados na França são pulverizados em videiras, mesmo que cubram apenas três por cento de suas safras, os pesquisadores insistem que o avanço pode ser uma dádiva para o meio ambiente e para os produtores de vinho.

A França está sob intensa pressão para reduzir os pesticidas após uma série de casos de câncer entre os vinicultores e um recente escândalo em que alunos de uma escola perto de um vinhedo foram pulverizados com produtos químicos, levando a vários adoecimentos.

No entanto, alguns produtores de vinho alertam que as variedades cultivadas em laboratório podem matar séculos de tradições de cultivo de uva que misturam uvas européias com o "terroir" local, substituindo-as por outras mais baratas e robustas que não têm o sabor e a qualidade das variedades locais existentes.

Thomas Dormegnies, produtor de vinhos, pesquisador e degustador de Vendée, oeste da França, afirma: “As variedades de uva na Europa foram desenvolvidas por monges ao longo dos séculos para se adequar ao solo local. Essa é uma herança maravilhosa.”

Embora as novas uvas não tenham sido geneticamente modificadas, o cruzamento de variedades de outros continentes levaria a um “vinho Frankenstein artificial e não natural”, alerta ele. "É como cruzar um macaco e um homem: pode ser tecnicamente possível, mas vai contra a natureza".

Ele acrescenta: "O míldio pode ser muito bem gerido no cultivo de vinho orgânico ou biodinâmico via enxofre ou óleos essenciais."

O resultado de inundar o mercado com uvas baratas e robustas é arriscar uma "corrida para o fundo da produção industrial do vinho", buscando rivalizar com o produto barato da Espanha.

"Mas os franceses não podem competir com os baixos custos de produção, condições de sol e regras ambientais mais frouxas do país vizinho", avisa ele.

Fonte: The Telegraph
 
> Leia as últimas notícias