Blog Meu Vinho

07/08/2019
Cabernet é a chave para o futuro do vinho fino da Argentina
Se o país quiser ganhar uma reputação global por um vinho verdadeiramente sofisticado, deve se concentrar no Cabernet Sauvignon, acredita o consultor norte-americano Paul Hobbs.
Embora Hobbs tenha sua própria vinícola californiana, ele equilibra seu tempo com trabalhos de consultoria e tem desempenhado um papel pioneiro na evolução da indústria de vinhos da Argentina desde sua primeira visita a Catena no final dos anos 80.

Falando sobre sua experiência de fazer vinho na Argentina nos últimos 30 anos, ele conta que "aprendeu muito sobre como a Cabernet se comporta na Argentina", mas ressalta que ainda há muito a ser feito com essa uva na região nessa nação sul-americana, que é mais conhecida pelo Malbec.

"Não acho que a Argentina tenha chegado perto do ponto alto com a Cabernet porque toda a atenção foi dedicada ao Malbec", comenta ele. "Acho que a Argentina deveria investir mais em Cabernet Sauvignon, porque é a referência internacional para todos os grandes tintos do mundo".

Olhando para trás, ele registra como a presença internacional da Argentina foi lançada com a Chardonnay e a Cabernet Sauvignon, que foram então “preteridas pelo Malbec”.

No entanto, ele prevê que o vinho Cabernet da Argentina poderá voltar à moda, por causa de sua qualidade e valor relativo.

“Com os preços ficando cada vez mais caros para a Cabernet [de suas fontes mais famosas, sejam eles Napa, Bordeaux ou Toscana], as pessoas começarão a procurar outra região - e acredito que Mendoza é essa região, porque pode fornecer Cabernet de alta qualidade a preços acessíveis”, argumenta.

Voltando sua atenção para aproveitar ao máximo o potencial de qualidade da Cabernet na Argentina, ele afirma que é necessário colocar ênfase particular em encontrar locais mais frios e garantir que a gestão de vinhedos seja cuidadosa.

Comparando a uva ao Malbec, ele registra que “Cabernet é uma uva muito mais seca, sua hidráulica não é tão boa quanto a Malbec, que é como um camelo, e Cabernet não aguenta bem o calor, então você precisa considerar climas mais frios. "

Ele também observa que “a Cabernet sofre muito mais com o fungo botrytis, embora o Cabernet tenha cachos mais frouxos - o Malbec tem um desempenho mais consistente em termos de resistência à pressão da doença”.

Resumindo, ele diz: "O Malbec é mais parecido com o Chardonnay de uvas vermelhas, é tolerante a doenças, resistente e relativamente fácil de cultivar".

Devido à relativa facilidade de lidar com o Malbec em comparação com o Cabernet, Hobbs admite que "a Cabernet nos frustrou um pouco na Argentina".

Quando perguntado para comentar sobre o que torna a Cabernet de Mendoza distinta, Hobbs justifica: "Eu acho que é mais como Bordeaux do que Califórnia, e você pode obter taninos altos, mas também um monte de frutas. A Cabernet plantada em alta altitude tem muita mais fruta, é como muita carne com pouco osso: é como um bife do USDA Prime. ”

Fonte: The Drinks Business
 
> Leia as últimas notícias