Blog Meu Vinho

27/11/2019
Mudanças Climáticas Mudam Mapa Global do Vinho
O planeta está mais quente do que em qualquer outro momento da história registrado e o aquecimento contínuo é muito provável.
A variabilidade climática tem sido mais pronunciada nos últimos 15 a 25 anos do que nos últimos 100 anos, com oscilações mais amplas, mais extremos recordes e maior gravidade. Os estudos estão projetando que aumentos de variabilidade ocorrerão em cima das mudanças na temperatura média do clima.

Muitas áreas produtoras de vinho estão vendo mudanças na umidade do solo, com a freqüência da seca e problemas de salinidade em áreas mais secas que crescem uvas. O estresse térmico afeta a qualidade e a fertilidade da videira. Brotamento precoce aumenta o risco de congelamento. Maior umidade de um ambiente mais quente aumenta a pressão da doença, aumentando a freqüência de tempestades e granizo em climas mais quentes.

Três especialistas em mudança climática e vinhos discutiram oportunidades para entender os impactos, reduzir a vulnerabilidade e se adaptar a um ambiente em mudança durante a Exposição Mundial de Vinho, uma feira de dois dias que atraiu 250 expositores e 6.500 profissionais para Amsterdã, Holanda, a maior feira do mundo dedicada para o negócio global de vinhos a granel.

Aquecimento afetando a maturação

A mudança climática está afetando as vinícolas em todo o mundo, com cada grau Celsius de aquecimento causando o amadurecimento cinco a dez dias antes, disse Greg Jones, diretor do Evenstad Center para Educação em Vinho no Linfield College, em Oregon, nos EUA.

A simulação climática das regiões vinícolas do mundo no meio do século indica que um aquecimento de dois a quatro graus Celsius ocorrerá em cima do aquecimento que já foi registrado nos últimos 50 a 100 anos. Jones, um climatologista cuja família opera Abacela, uma vinícola no Vale de Umpqua, no Oregon, disse:

“Nós realmente precisamos entender a natureza dessas mudanças e o que elas significam fisiologicamente para uma videira em crescimento. Sabemos que, se você olhar para os relógios básicos de maturação no processo da uva para vinho - açúcar ácido e fenólicos, juntamente com sabores - normalmente estão desequilibrados hoje, ou mais difíceis de encontrar em um cenário perfeito".

As culturas hortícolas precisam esfriar para que a dormência seja efetiva para o crescimento no próximo ano. Jones relata que as mudanças estão ocorrendo com o estresse térmico afetando a qualidade e a fertilidade da videira.

Muitas regiões vinícolas já experimentaram condições que as simulações indicaram que seriam condições médias em 2050, acrescenta Jones. "Minha pergunta é: será que nossas simulações não estão projetando bem o suficiente, ou já estamos lá?"

Jones não prevê necessariamente uma grande diferença no volume de vinho produzido quando ocorrer o aquecimento, mas espera modificações na qualidade, com a agricultura se movendo em direção a novas regiões. "Ainda não sabemos o que realmente vai acontecer", admite ele. “Podemos prever que eventos extremos acontecerão: modificações de altas temperaturas e baixas temperaturas”.

Aumento das doenças do míldio

Enrico Peterlungen, da Universidade de Udine, na Itália, conta que a colheita no nordeste da Itália ocorre dez dias mais cedo do que há 20 anos, com temperaturas crescentes e dias de graus crescentes, mas os mesmos níveis de chuva atingem a região ao longo de poucos dias. A área é particularmente afetada pela mudança climática devido à proximidade do Mar Adriático. "Os eventos de alta pluviosidade estão aumentando: isso é realmente um problema", alerta Peterlungen.

Uma atmosfera mais quente traz umidade mais alta. A simulação indica que as doenças do míldio provavelmente aumentarão com temperaturas mais altas. Ter variedades resistentes ou tolerantes é, portanto, mais importante para o futuro.

Um programa de melhoramento da Universidade de Udine utilizou novas ferramentas para produzir mudas tolerantes a míldios com seleção da Hungria, Alemanha e França. O programa produziu dez novas variedades, cinco brancos, cinco tintos com um caráter que não se distingue dos vinhos "normais", garante Peterlungen. "Eles são muito distintos, mas são resistentes ou altamente tolerantes".

Gerenciando Mudança

O professor Peterlungen e o professor José Ramon Lisarrague, da Universidade Técnica de Madri, na Espanha, discutiram os aspectos da gestão de vinhedos que os produtores precisam considerar para seguir em frente.

O gerenciamento de um clima em mudança potencialmente envolverá mudanças no gerenciamento do solo, nos sistemas de treliças tradicionais, na otimização da geometria do dossel (uma espécie de parede de folhas e galhos formadas pela videira, a área onde as folhas estarão espalhadas), na orientação de linhas das parreiras, na poda e, em muitos locais, no aumento do uso de materiais de sombreamento. O fornecimento e o tempo de disponibilidade da irrigação já estão mudando em muitos lugares. À medida que os recursos hídricos diminuem, os produtores precisarão entender melhor a eficiência no uso da água e o gerenciamento da irrigação.
 
> Leia as últimas notícias