Blog Meu Vinho

04/12/2019
Você é um bebedor de rótulos?
As mídias sociais nos emprestam a experiência de outra pessoa que é, em grande parte, sem sentido.
Facebook, Instagram e Twitter deram, ultimamente, uma nova noção de "consumidor de rótulos". Muitos dos meus amigos e conhecidos do mundo do vinho publicam um fluxo quase ininterrupto de fotos de garrafas, muitas vezes acompanhadas de elogios concisos e em êxtase. Eles me deixam sentindo inadequado e inexperiente. Uau, essas pessoas estão abrindo caminho através de adegas de bom vinho! Tudo o que posso fazer (exceto em ocasiões especiais) é um conjunto de compras honrosas, porém modestas, que não são de cair o queixo, mesmo que eu estivesse disposto a ir nessa direção.

A mídia social, você poderia argumentar, está nos transformando em consumidores de rótulos. É a imagem que conta nas mídias sociais e o rótulo é a imagem. Uma verdade mais geral da era do Facebook e do Twitter, além disso, é que os usuários parecem compelidos a se gabar e se auto-promover, enquanto todos lutam para manter sua cota de momentos "Yey!". As coisas que eu realmente gosto de olhar nas mídias sociais, postagens silenciosas de momentos e opiniões pessoais, estão faltando.

O problema do consumo de rótulos, na verdade, não é a busca de rótulos - o que todos nós queremos fazer de vez em quando -, mas a busca desses rótulos como um fim de melhoria de status em si, e não os meios para um experiência que pode expandir os horizontes do nosso mundo do vinho. Foi difícil não pensar no pobre jogador de futebol português Cristiano Ronaldo neste contexto, gastando 18.000 libras esterlinas por uma garrafa de Richebourg grand cru (DRC, presumivelmente) e 9.000 libras esterlinas por uma garrafa de Petrus 1982, bebendo um copo com seus colegas por 15 minutos no bar do restaurante Scott, em Londres, para depois assistir a uma partida de tênis no O2 Arena, deixando o vinho inacabado.

Talvez eu não deveria usar o argumento que estou prestes a dar, já que participar de degustações competitivas é uma parte essencial do trabalho de todo escritor de vinhos - mas vou continuar de qualquer maneira, já que o debate vale a pena. O rótulo sem sentido de beber, estilo Ronaldo, é a consequência da ênfase exagerada no vinho "melhor" do que no "diferente". Quanto mais acumulamos degustações competitivas, e quanto maior nossa montanha de notas e anotações, mais "obcecados" nos tornamos - e mais nos distanciamos daquele tipo de compreensão e satisfação que faz o prazer profundo do vinho.

É claro que não vou recusar um copo de Cheval Blanc, mas posso pensar em muitas ocasiões em que desfrutei de vinhos modestos com muito mais intensidade do que os grandes vinhos. Você não precisa estar no Grand Canyon para experimentar a maravilha da natureza. Essa intensidade da experiência nasce da compreensão e da revelação, e o eixo no qual a compreensão e a revelação se transformam no mundo do vinho é uma diferença cuidadosamente observada.

Em comparação, a busca do "melhor" é o empréstimo da experiência de outra pessoa e, em grande parte, sem sentido, a menos que você invista esforço pessoal e emoção na busca. O que Ronaldo, eu suspeito, não conseguiu.

Fonte: Andrew Jefford/Decanter
 
> Leia as últimas notícias