Blog Meu Vinho

29/01/2020
O inglês "inventou" o champanhe por engano
São os ingleses que merecem o crédito por inventar o champanhe, mesmo que o tenham feito por acidente, disse Pierre-Emmanuel Taittinger em entrevista à imprensa.
Taittinger, um anglófilo confesso e CEO da casa de champanhe de mesmo nome, entrou no longo debate sobre as origens do primeiro vinho espumante da França durante uma entrevista em vídeo com o jornal Le Figaro.

Alertado pelo entrevistador, Taittinger concordou que os ingleses tinham inventado o Champagne, ainda que inconscientemente. "Eles criaram o Champagne por causa de um erro", revela ele.

Ele explicou que vinhos vermelhos e brancos ainda feitos por monges beneditinos haviam sido enviados para o outro lado do canal, mas os ingleses deixaram os vinhos nas docas de Londres, onde as condições fizeram com que uma segunda fermentação começasse.

"Como muitos grandes erros, isso levou a uma grande invenção", relata Taittinger, que se uniu a parceiros para plantar um vinhedo no sul da Inglaterra. Ele também credita um lado "louco" da psique inglesa que fez com que as pessoas começassem a ver os vinhos com gás como desejáveis.

As verdadeiras origens do Champagne foram debatidas muitas vezes ao longo dos anos.

Alguns creditaram o monge Dom Pérignon com o desenvolvimento do chamado "Méthode Champenoise" no final do século XVII.

No entanto, os registros da Royal Society no Reino Unido mostram que, em dezembro de 1662, o cientista inglês Christopher Merret apresentou um trabalho sobre vinificação e descreveu como os comerciantes ingleses adicionavam açúcar e melado aos vinhos para "fazer com que eles bebessem espumantes borbulhantes".

Foi relatado que o trabalho inicial de Dom Pérignon nas adegas francesas era na verdade evitar uma segunda fermentação na garrafa; uma característica inicialmente considerada uma falha pelos produtores. Essa postura mais tarde mudou, é claro.

Dom Pérignon é creditado por ter feito muito para melhorar a qualidade da produção de vinho e da viticultura durante seu tempo como mestre de adega na Abadia de HautVillers, perto de Épernay.

Argumenta-se, portanto, que Dom Pérignon desempenhou um papel crucial no aperfeiçoamento do "Méthode Champenoise" que associamos com Champagne e vários outros vinhos espumantes hoje.

O Reino Unido é o maior mercado de exportação de champanhe em volume, com 27,8 milhões de garrafas embarcadas em 2017.

A temperatura ideal para a fermentação secundária na garrafa é entre 9 e 12 graus Celsius, de acordo com a união das casas de Champagne (UMC).

Fonte: Decanter
 
> Leia as últimas notícias