Blog Meu Vinho

24/06/2020
O paradoxo francês: como beber vinho duas vezes por dia e permanecer saudável
O presidente da França Emmanuel Macron diz que bebe uma taça de vinho no almoço e outra no jantar todos os dias.
Quando o Dr. Will Clower se mudou de seu estado natal do Alabama para trabalhar no Instituto de Ciências Cognitivas de Lyon, na França, uma das primeiras coisas que ele notou sobre os franceses foi sua atitude avançada em relação ao vinho. Sentado com seus colegas cientistas no refeitório da universidade em seu primeiro dia, ele viu um barril de vinho tinto ao lado do suco, da água e dos sanduíches, dos quais os membros podiam se servir de refis sem fim.

“Pareceu-me estranho - nós [nos Estados Unidos] vemos o vinho como um intoxicante, é a soma de suas propriedades farmacológicas, então por que na Terra você serviria no almoço? Mas, enquanto assistia, nunca vi ninguém voltando para pegar uma segunda taça. Para eles, é considerado comida, então é claro que você vai beber no almoço”, conta ele.

Para o Dr. Clower, era a ilustração perfeita do “paradoxo francês” - a idéia de que os franceses podem beber tanto vinho quanto quiserem sem parecer sofrer com os problemas de saúde associados. O caso amoroso da França com o vinho ressurgiu quando o Sante Publique, órgão de saúde pública do país, causou indignação depois de aconselhar os adultos a limitar sua ingestão de vinho a dois copos por dia.

O conselho foi recebido com um retumbante não de ministros do governo, um dos quais - o secretário de Agricultura Didier Guillaume - disse: "O vinho não é álcool como os outros." Emmanuel Macron, o presidente francês, já admitiu beber vinho no almoço e no jantar todos os dias: "Há um perigo para a saúde pública quando os jovens se embebedam com álcool ou cerveja forte, mas não com vinho", disse ele.

Eles estão corretos? Os efeitos do vinho sobre a saúde são diferentes dos da cerveja, drinks e outras bebidas alcoólicas? E, deste lado do canal, podemos nos dar ao luxo de beber vinho tanto quanto os franceses sem perder anos de nossa vida?

Pergunte a um funcionário do governo britânico e eles provavelmente dirão que não existe um nível "bom" de álcool. Toda bebida é prejudicial, afirmam eles, e isso inclui vinho, a bebida adorada tanto por pessoas de meia-idade.

Lançando suas novas diretrizes em 2016, que aconselhavam adultos a não beber mais do que 14 unidades de álcool por semana, a Public Health England escreveu: “Os benefícios do consumo moderado para a saúde do coração não são tão fortes como se pensava anteriormente. O risco de desenvolver uma gama de doenças aumenta com qualquer quantidade que você beba regularmente”.

Seu conselho é apoiado por estudos que ligam até mesmo uma pequena ingestão de álcool a um aumento do risco de vários tipos de câncer, incluindo câncer de fígado, câncer de mama e câncer de cólon.

Mas o Dr. Clower, que escreveu dois livros sobre o chamado "Paradoxo Francês" desde que se mudou de Lyon, não tem tanta certeza. Se você olhar país por país, aponta ele, os dados não mostram que o maior consumo de vinho significa taxas mais altas de câncer. "Há um armário cheio de advertências para isso, mas o que ele diz é que a relação entre o consumo de vinho e o câncer é excessivamente simplista e não conta toda a cena", revela ele. É muito mais útil olhar para países individuais que estão fazendo isso bem e tentar imitá-los.

“Os franceses vivem mais, não têm cânceres que [outros países ocidentais] têm, não têm as doenças cardíacas que nós temos, não têm diabetes que nós temos. O que quer que estejam fazendo, eles devem continuar fazendo isso porque está funcionando para eles, e as razões serão reveladas com o tempo”, conclui ele.

Em palavras que irão agradar ainda mais os apreciadores de vinho, ele também acha que o vinho pode realmente ser bom para o coração, devido aos seus altos níveis de antioxidantes.

Esta é uma visão compartilhada por Toral Shah, um cientista nutricional e chef especializado em prevenção do câncer depois de superar a doença em seus vinte anos. Ela afirma que tem havido “pesquisas realmente mistas” sobre os impactos do vinho nas doenças cardiovasculares (cardíacas), mas acha que os altos níveis de antioxidantes e polifenóis encontrados no vinho (particularmente no vinho tinto) ajudam nosso coração e nosso sistema imunológico.

"Se você observar as pessoas por um longo período de tempo, as pessoas que têm menor risco de doença cardiovascular são as pessoas que bebem um copo de vinho por dia", diz ela. “Há uma curva em forma de U: beber uma, no máximo dois copos de vinho tinto, de três a quatro vezes por semana, pode ser benéfico para a longevidade. Os franceses não entenderam errado: eles normalmente bebem vinho em vez de coquetéis alcoólicos fortes.”

Além disso, os franceses bebem seu vinho muito mais socialmente do que os britânicos, ela conta, geralmente conversando com seus amigos e familiares durante uma refeição. “A saúde social [francesa] é muito melhor, eles estão sentados com mais pessoas, eles estão interagindo com mais pessoas. Na França, eles ainda têm um intervalo adequado para o almoço, sentam-se longe de sua mesa, comem alguma coisa e bebem vinho. Não é como nós [na Grã-Bretanha], onde não estamos realmente comendo bem, estamos bebendo um monte de álcool quando saímos e não comemos nada", compara ela.

“Saúde social” agora se tornou uma parte tão aceita da medicina, ela revela, que está listada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em sua definição de saúde: “Ela afeta nossa saúde muito mais do que percebemos antes, e é só agora que temos uma rede social quebrada no mundo ocidental que estamos realmente começando a ver o impacto. É apenas um produto provavelmente dos últimos 30 ou 40 anos”.

Fonte: Telegraph
 
> Leia as últimas notícias