Blog Meu Vinho

29/07/2020
Dieta mediterrânea está ligada ao menor risco de câncer de bexiga
Uma análise dos dados de 13 estudos mostra outro benefício desse plano de alimentação saudável, que inclui o consumo moderado de vinho
A dieta mediterrânea está associada a muitos benefícios para a saúde, incluindo proteção contra doenças cardíacas, doença de Alzheimer e até depressão. Muitos bebedores de vinho também são fãs porque a dieta inclui consumo moderado de vinho. Agora, um novo relatório publicado no European Journal of Nutrition sugere que a dieta também pode ajudar a reduzir o risco de câncer de bexiga.

O câncer de bexiga é uma das formas mais comuns de câncer, afetando aproximadamente 70.000 adultos nos Estados Unidos a cada ano. Conduzido por uma equipe multinacional de pesquisadores, o relatório analisou dados de 646.222 participantes de estudos - vindos dos EUA, Dinamarca, Austrália, Espanha, França, Grécia, Alemanha, Itália, Holanda, Suécia, Noruega e Reino Unido - para determinar a associação entre dieta mediterrânea e risco de câncer de bexiga.

"Estudos prévios avaliaram o risco de desenvolver câncer de bexiga em vários itens alimentares isolados (como a associação entre ingestão de vegetais e risco de câncer de bexiga) e mostraram resultados promissores. Entretanto, acreditamos que os padrões alimentares podem fornecer evidências mais fortes do que itens dietéticos", afirma Willem Witlox, um dos pesquisadores do estudo. "Como pesquisas mostraram que a dieta mediterrânea efetivamente reduz o risco de mortalidade, doenças cardiovasculares e vários tipos de câncer, resolvemos avaliar a associação entre esta dieta e o risco de desenvolver câncer de bexiga."

Modelada a partir dos padrões alimentares de pessoas nativas de áreas que margeiam o Mar Mediterrâneo (como Itália, Grécia, sul da França e Espanha), a dieta mediterrânea enfatiza muitos componentes, incluindo frutas, vegetais, nozes, grãos, legumes, frutos do mar e consumo moderado de álcool (principalmente vinho), limitando simultaneamente a carne e os produtos lácteos.

Como o estudo não analisou apenas um componente da dieta, os pesquisadores usaram um sistema de pontos para determinar quanto ou quão poucos indivíduos aderiram à dieta mediterrânea.

Os participantes pontuaram 0 pontos ou 1 ponto para cada componente: legumes, vegetais, frutas e nozes, cereais e peixe (os componentes benéficos presumidos), os participantes ganharam 1 ponto por consumir tanto quanto a média de corte ou mais; eles ganharam 0 pontos por consumir menos do que o corte mediano. Para carne e produtos lácteos (considerados componentes prejudiciais), 1 ponto foi atribuído àqueles que consomem menos do que a mediana de corte, e 0 pontos foram atribuídos àqueles que consomem tanto quanto a média de corte ou mais.

Para o álcool, 1 ponto foi dado aos homens que consomem entre 70 e 350 gramas por semana e às mulheres que consomem entre 35 e 175 gramas por semana. (As autoridades de saúde dos EUA afirmam que uma taça típica de vinho contém aproximadamente 14 gramas de álcool, de modo que os números mais altos representam aproximadamente 25 e 12 copos por semana, dependendo do vinho). Qualquer pessoa que consome álcool em níveis abaixo ou acima desses limites recebeu 0 pontos nessa categoria.

Depois de atribuir as pontuações e somá-las, os pesquisadores categorizaram os participantes em três grupos: baixa adesão à dieta (0-3 pontos), média adesão (4-5 pontos) e alta adesão (6 pontos ou mais). Ao executar uma análise estatística, os pesquisadores descobriram que os participantes nos grupos "médio" e "alto" tinham menos probabilidade de desenvolver câncer de bexiga do que aqueles no grupo "baixo", revelando assim uma relação inversa entre a adesão à dieta e o risco de contrair câncer de bexiga.

No texto do estudo, os pesquisadores supõem possíveis explicações para por que a dieta mediterrânea, como um todo, possa ter um efeito protetor contra o câncer de bexiga. Além do consumo de frutas e verduras, que já foi demonstrado ter uma associação inversa com o risco de câncer de bexiga, os pesquisadores também destacam o consumo de vinho e azeite como componentes-chave para os benefícios potenciais da dieta, devido ao alto teor de polifenóis presente neles.

"Esses fatores dietéticos são bem conhecidos por suas propriedades anti-oxidativas e anti-inflamatórias", diz o texto do estudo. "Além disso, os polifenóis demonstraram ter um efeito benéfico na função celular. Uma vez que processos como a proliferação desregulada de células e a morte celular muitas vezes fornecem uma base para a progressão do tumor, os polifenóis podem ajudar a proteger as células da membrana da bexiga contra futuras metástases."

No entanto, como o estudo analisou a dieta como um todo, em vez de decompor seus componentes individuais, ainda não se sabe exatamente o que confere esse potencial benefício protetor.

"Não conseguimos isolar nenhum subgrupo específico de alimentos da dieta mediterrânea que forneça um benefício maior em relação aos outros", relata o texto do estudo. "Isso pode ser porque a pesquisa descreve o efeito geral dos fatores combinados do padrão alimentar como o mais protetor."

Fonte: Wine Spectator
 
> Leia as últimas notícias