Blog Meu Vinho

17/02/2021
Consumo moderado de vinho está associado a menor risco de doença pulmonar
Um novo estudo sugere que o consumo moderado de álcool pode reduzir significativamente o risco de doença pulmonar em homens
Quando se trata de doenças respiratórias, existem poucos estudos explorando a ligação entre o consumo de álcool e a saúde pulmonar. No entanto, nova pesquisa da Suécia parece dar vida a esse campo: seus resultados sugerem que o consumo moderado de álcool pode diminuir o risco de doença pulmonar nos homens.

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma doença respiratória que restringe o fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões, dificultando a respiração. A doença avança com o tempo, diminuindo cada vez mais o desempenho pulmonar, geralmente com resultados fatais.

A principal causa de DPOC é o tabagismo, seguido por asma e fatores ambientais. Os sintomas da DPOC incluem tosse que produz muito muco, falta de ar, especialmente durante atividades físicas, chiado e aperto no peito, de acordo com a Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA. A doença afeta cerca de 16 milhões de pessoas anualmente apenas nos EUA. "De acordo com os pesquisadores do Global Burden of Disease Study, a DPOC foi a terceira principal causa de perda de vidas nos Estados Unidos e a quarta principal causa no Reino Unido em 2016", relatam os autores do estudo.

A pesquisa, conduzida por uma equipe do Instituto Karolinska da Suécia e da Universidade do Oeste da Inglaterra, Bristol, e publicada no American Journal of Epidemiology, envolveu mais de 44.000 homens com idades entre 45 e 79 anos, desde 1998 até o momento em que foram diagnosticados com DPOC ou até o final de 2014. O estudo levou em consideração a saúde, idade, peso, índice de massa corporal, escolaridade, classe econômica e vários outros fatores.

A idade média dos participantes foi de 60 anos. Desses, 24,4% eram fumantes, 38,5% eram ex-fumantes e 35,8% nunca fumaram. Também foi perguntado aos participantes quanto eles bebiam por semana. Os pesquisadores definiram 1 bebida padrão como 12 gramas de etanol. (Isso é um pouco menos do que os 14 gramas definidos como um copo de vinho padrão pelo Escritório de Prevenção de Doenças e Promoção da Saúde dos EUA.)

O estudo constatou que os bebedores moderados tiveram uma menor incidência de DPOC do que os abstêmios e os bebedores pesados. De fato, os indivíduos que não consumiram álcool tiveram uma incidência 21% maior da doença do que aqueles que bebiam moderadamente, cerca de 7 a 14 doses por semana. Bebedores pesados (aqueles que consomem mais de 20 bebidas por semana) tiveram uma incidência 34 por cento maior de DPOC que bebedores moderados.

Os pesquisadores tiveram o cuidado de garantir que ajustassem seus resultados para levar em consideração possíveis fatores de confusão. Os dados revelaram que os bebedores de vinho são mais propensos a ter rendas mais altas do que os que bebem outras bebidas alcoólicas, e os bebedores de outras bebidas alcoólicas também têm maior probabilidade de serem fumantes. Além disso, aqueles que consumiam uma ou mais taças de vinho por semana tendem a ter uma educação superior. Renda e tabagismo são fatores que afetam os resultados de saúde e a incidência de DPOC. No entanto, mesmo após o ajuste para esses fatores de confusão, os pesquisadores ainda descobriram que os bebedores moderados tinham fatores de risco mais baixos para DPOC do que os que não bebiam e os que bebiam muito.

"Podemos supor que a associação protetora para o consumo moderado de álcool, especialmente o consumo de cerveja e vinho, esteja relacionada ao impacto antioxidante dos polifenóis presentes nas bebidas alcoólicas", concluem os autores. No entanto, como os pesquisadores tinham pouca informação sobre outras causas de DPOC (como fumaça química, poluição, etc.), além do fumo, eles não foram capazes de dizer conclusivamente que o consumo moderado de álcool foi o único fator nesses resultados positivos. Mais pesquisas sobre as qualidades antioxidantes do vinho e da cerveja podem ajudar a reforçar essas descobertas.

Fonte: Wine Spectator
 
> Leia as últimas notícias