Blog Meu Vinho

21/07/2021
Beber moderadamente pode reduzir o risco de declínio cognitivo
Acompanhando americanos mais velhos por duas décadas, uma equipe de cientistas descobriu que o consumo de álcool moderado pode estar relacionado a uma melhor função cognitiva e taxas mais lentas de declínio
Os potenciais benefícios para a saúde do consumo moderado de álcool para nós à medida que envelhecemos incluem tudo, desde a redução do risco de doença de Alzheimer, doenças cardiovasculares e diabetes até o aumento da longevidade. Mas um novo estudo sugere que a função cognitiva geral melhorada, da memória à orientação, pode ser adicionada à lista.

Uma equipe de pesquisa liderada por Changwei Li na Faculdade de Saúde Pública da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, em um estudo publicado online pela JAMA Network, descobriu que o consumo de baixo a moderado - definido como menos de oito taças por semana para mulheres e menos de 15 por semana para homens - está associado a uma função cognitiva total mais elevada e a taxas mais lentas de declínio cognitivo.

Os pesquisadores coletaram dados de 19.877 participantes do Health and Retirement Study, o exame de quase 20 anos da Universidade de Michigan sobre o envelhecimento da população dos Estados Unidos. A idade média dos sujeitos era 62, cerca de 60 por cento eram mulheres e cerca de 85 por cento eram brancas.

Para analisar a função cerebral cotidiana, os indivíduos receberam uma pontuação geral de cognição com base em seu desempenho em três áreas: recordação de palavras, estado mental e vocabulário. Eles foram avaliados repetidamente ao longo de uma média de cerca de nove anos para ver como a memória, a inteligência cristalizada e as capacidades gerais de conhecimento haviam mudado.

Os resultados mostraram que aqueles considerados consumidores de baixo a moderado tiveram uma trajetória de função cognitiva consistentemente mais alta em todas as três áreas em comparação com os que não bebiam. Mas os pesquisadores não conseguiram apontar exatamente por que existe a associação positiva.

O estudo não teve dados suficientes para tirar conclusões sobre os categorizados como bebedores pesados, mas citou o uso indevido de álcool como um grande problema nos EUA que pode levar a inúmeras doenças. A frequência de consumo de álcool foi autorrelatada pelos participantes, criando espaço para possíveis vieses, e o estado de saúde dos indivíduos não foi levado em consideração no desempenho do teste cognitivo, o que pode ter contribuído para alguns dos escores de cognição em declínio.

Embora este estudo não prove que o consumo moderado de álcool melhora diretamente a função cognitiva, ele sugere que uma taça de vinho pode nos ajudar a nos mantermos bem.

Fonte: Wine Spectator
 
> Leia as últimas notícias